26ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes movimenta mais de 18 milhões em negócios 

Ao todo foram gerados 2 mil empregos diretos e indiretos. Nos 229 estandes de livros, foram vendidos 750 mil exemplares, das 138 empresas participantes do evento, sendo 42 editoras diretamente, 37 livrarias e 59 distribuidores de livros.


A Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes teve mais uma edição de sucesso. Encerrada neste domingo (17), a iniciativa do Governo do Estado, realizada por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), se consolidou mais uma vez como a maior festa literária do Norte.

Durante os nove dias do 26ª ano consecutivo de evento, o Hangar, Centro de Convenções da Amazônia, recebeu 450 mil visitantes, que passearam entre os estandes e curtiram uma extensa programação planejada para atender públicos diversos. Foram 39 rodas de conversas, 9 saraus, 7 papos-cabeça e muitas outras atividades na Arena Multivozes, Arena das Artes e Arena Amazônia.  


A ação de incentivo à leitura e à cultura popular movimentou mais de 18 milhões de reais em negócios e teve dias dedicados às vozes dos Homenageados; da Infância; da Diversidade e Inclusão; da Baixada; da Democracia; do Clima; Marajó; dos Autores Paraenses e da Cultura de Paz. Esta edição também bateu um novo recorde, no último sábado (16), mais de 107 mil pessoas visitaram a  Feira, o número mais alto de visitantes em um único dia. 

Nos 229 estandes de livros, foram vendidos 750 mil exemplares, das 138 empresas participantes do evento, sendo 42 editoras diretamente, 37 livrarias e 59 distribuidores de livros. No Ponto do Autor, onde escritores paraenses lançaram seus livros, foram arrecadados R$ 50 mil em vendas e realizadas 145 sessões de autógrafos. 

Os homenageados Heliana Barriga e Salomão Larêdo, também estiveram presentes no Ponto do Autor, relançando suas obras com novas edições produzidas pelo Departamento de Editoração e Memória (DEM), da Secult. A coleção ‘Mala sem Fundo’ de Heliana Barriga reúne alguns de seus trabalhos, todos voltados para o público infantil, com o intuito de divertir e levar o encanto pela palavra. Já o romance “Remos de Faia”, um dos primeiros trabalhos de Salomão Larêdo, conta com uma narrativa sedutora e bem humorada. 

Entre os outros espaços dentro dos 24 mil metros quadrados de área coberta onde ocorreu a Feira, o Beco dos Artistas contou com 19 estandes, que movimentaram R$ 105.165,00 com a comercialização de ilustrações em adesivos, canecas, bottons e peças de vestuário. Já na Feira Criativa, os 30 empreendimentos venderam artesanatos diversos totalizando R$ 269.987,00. Além dos 9 estandes na praça de alimentação, ao todo foram gerados 2 mil empregos diretos e indiretos. 

A nossa Feira foi o encontro das múltiplas expressões culturais, da dança, do teatro, música com a palavra escrita, falada e cantada. Dois autores que viveram e receberam o carinho do público, nossa querida Heliana Barriga e o nosso querido Salomão Larêdo, e hoje nesse balanço de uma feira de extremo sucesso que nos desafia fazer uma feira melhor ainda no ano que vem, nós anunciamos os dois homenageados: um personagem da feira do livro, muito querido por todos os leitores, um militante da valorização dos escritores paraenses, nosso querido Juraci Siqueira; e representando essas multivozes da nossa cultura, a nossa amada Iracema Oliveira, guardiã de pássaro junino, essa manifestação da cultura popular que é nossa, é da gente, é da Amazônia", revelou a secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal, durante a exibição do balanço da Feira, na Arena Multivozes. 

O momento também foi de agradecimento ao público e à equipe da Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes, e apresentação dos homenageados da próxima edição. “Eu que trabalho com a palavra, no momento estou um pouco sem palavras para expressar toda alegria, emoção de uma homenagem desse quilate, que eu reparto com todos aqueles que fazem do ato de escrever, o próprio ar que respira.” disse emocionado o escritor Juraci Siqueira. 

Iracema Oliveira, também será homenageada na edição da feira para 2024. “Não existem palavras pra dizer aquilo que a gente está sentindo neste momento porque ser lembrada pela Secretaria de Cultura, com 86 anos de idade, é muito especial. Eu comecei na estrada da arte desde os sete anos de idade e ser lembrada agora é muito importante e o significado muito grande na minha vida, na minha trajetória. Na verdade eu fiz arte, a razão da minha existência", declarou a mestra da cultura popular.

texto: Juliana Amaral (Ascom Secult)

17/09/2023 21h13 - Atualizada em 17/09/2023 21h55
Por Comunicação (Feira do Livro)